IRMÃO SOL, IRMàLUA

Estamos numa crise civilizacional. O mundo em que vivemos está praticamente quebrado, doente e precisa urgentemente de entrar nos eixos.

Temos que ser mais dignos e humanos. Temos que enxergar que não existem ricos ou pobres, sadios ou doentes. Somos iguais perante Deus.

Não quero entrar em uma discussão sobre religião. Quero apenas enaltecer o amor que está faltando entre os terráqueos.

Irmão Sol, irmã Lua.

Sol, uma palavra masculina e, no entanto é uma estrela, feminina.

Lua, uma palavra feminina e, no entanto é um satélite, uma palavra masculina.

Não importa ser masculino ou feminino. O importante é o amor.

Poderia colocar o nome desta crônica de Irmão Nelson, irmã Sonia, porque independente de tudo somos providos de muito amor, um pelo outro.

A fase em que passamos mais juntos foi nossa infância, depois vamos trilhando caminhos diferentes que vão nos afastando fisicamente. Vamos construindo outras famílias e essas famílias vão construindo outras e assim caminha a humanidade. Agora, o amor entre nós existe até hoje, mesmo morando distante um do outro.

Nossa infância foi inesquecível. Quando estamos conversando pelo celular ou wattsapp sempre relembramos o passado. Já escrevi até crônica em sua homenagem, como “Feliz aniversário” que conta a história do banho na galinha e que gastamos uma caixa de sabão em pó. O banho não aconteceu porque nossa mãe deu um berro quando viu a cena da incursão da galinha no tanque cheio de espumas. Apanhamos tanto que até hoje não sabemos se foi por causa da galinha ou se foi o gasto de uma caixa de sabão em pó.

Na época do carnaval saíamos na rua para jogar água nos carros, no máximo água com sabão que colocávamos numa bisnaga.

Na volta da escola a caminho de casa, apertávamos as campainhas das casas e saíamos correndo. Nunca fomos pegos.

Uma vez estávamos no riacho nos fundos da nossa casa e nossa prima te chamou para ver uns peixinhos pretos (girino) e quando você se abaixou para ver, ela te empurrou e você caiu no riacho. Chorou muito e saiu correndo para contar à nossa mãe.

Lembro o tempo em que íamos na casa do vizinho, Sr.Flavio, pai de três filhas e que ajudávamos a colocar pedrinhas de isqueiros num recipiente circular onde cabiam 6 ou 8 pedrinhas. Ele trabalhava com isso e toda família ajudava, inclusive nós, que éramos apenas vizinhos. Eu comentava contigo que quando crescesse iria ser colocador de pedrinhas de isqueiros.

Havia no quintal de casa uma plantação de feijão e estávamos sempre concorrendo com nossas vizinhas que também tinham uma plantação, para ver qual horta era mais bonita.

Quando chegávamos da escola nossos cachorros (Fox e Lulu) ficavam esperando no portão. Acho que esta cena inspirou o Roberto Carlos a cantar “Eu cheguei em frente ao portão. Meu cachorro me sorriu latindo…”

Lembro também que cortei seu cabelo e coloquei um gorro na sua cabeça para nossa mãe não ver o estrago que fiz. Ela descobriu logo que chegou em casa porque estava muito calor e tirou o seu gorro. Não entendo o porquê que você apanhou também, sendo que era apenas a vítima.

Nós éramos crianças muito comportadas. Lembro que nossa mãe te avisou inúmeras vezes para sair de perto da panela de arroz que estava quente. Acho que esta foi uma das únicas vezes que você não obedeceu e ela colocou sua mão na panela e você pode sentir que realmente o arroz estava quente.

Quando um só de nós apanhava o outro sabia que sobraria para ele também. Sempre apanhávamos juntos. Irmãos unidos até na surra.

Com o passar do tempo, cada um tomou um rumo na vida. Eu casei, você casou mas nunca deixamos de ser o irmão Nelson e irmã Sonia.

Hoje somos avós, curtimos nossos netos e continuamos a ser os irmãos astros. Irmão Sol, irmã Lua. Despidos das vaidades e com muito amor um com o outro.

Agradeço a Deus e aos nossos pais por terem gerado você para ser minha irmã.

Te amo muito. Feliz aniversário.

Publicado por Nelson Faria

Eu sou o que sou, porque faço da minha maneira. Simples assim. Sem prejudicar ninguém e amando todos, independente de raça e religião. Palmeirense de coração.

8 comentários em “IRMÃO SOL, IRMàLUA

  1. Nossaaa, é muita emocao, como nao amar um irmão assim, dedicado, atencioso, poeta, carinhoso etc.
    Obrigada irmão, sempre seremos sol e lua.
    Lembranças felizes e inesquecíveis…
    Te amo e te amarei para sempre.
    Bjbjbjbjbj

    Curtido por 1 pessoa

  2. Oi, que infância feliz… Eu tinha nove irmãos, imagina as histórias, e minha mãe sempre dizia que não gostava do meu pai… Imagina se gostasse 🤪 Feliz aniversário para sua irmã. Saudades… 1000 beijos.😙

    Curtir

  3. Nelson você é um escritor nato ou um contador de “causos”; Graças a você pude recordar minha infância! Também tocava campainha e saia correndo. Bons tempos. A gente era feliz e não sabia. Sá saudade mesmo. Acordar, tomar café e descer para brincar…ô tempo bom. Fica com Deus amigo! Continue sendo essa pessoa maravilhosa que você é! Um fraterno abraço!

    Curtir

  4. Puxa que lindo, Nelson!! Tenho a mesma amizade com o meu irmãozinho ( um ano mais velho q eu) .
    E os eventos o passado parecem serem iguais. Éramos felizes com pequenas coisas!! Muito lindo a tua homenagem ! Parabéns!!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Crie seu site com o WordPress.com
Comece agora
%d blogueiros gostam disto: