INTERVENÇÃO FEDERAL

Logo após o carnaval, o povo brasileiro acordou com a notícia de que o Rio de Janeiro estava sob Intervenção Federal, decretada pelo presidente.

O que é uma Intervenção Federal?

Vou explicar de uma maneira muito simples para a população entender.

Todos conhecem um baralho. Um jogo de 52 cartas, que vão de “As (A) a Rei (K).

Vou mostrar um jogo com dois baralhos, chamado de “tranca” ou “buraco”, onde as cartas são distribuídas para dois ou mais jogadores, no total de 11 cartas para cada um. No nosso jogo serão dois jogadores para facilitar a compreensão.

Nesse jogo o coringa é a carta “2”.

As cartas “3” vermelhas valem 100 pontos cada uma, ou seja, para quem fizer canastra ganha 100 pontos em cada uma delas. Se não fizer a canastra, perde 100.

As cartas “3” pretas só servem para trancar o jogo.

Canastra é um conjunto de, no mínimo, 7 cartas que valem pontos. 100 pontos com coringa e 200 pontos sem o coringa.

Não sei porque estou explicando as regras do jogo se todos já conhecem.

Intervenção Federal no Rio de Janeiro.

O Brasil é um Ca …, desculpem, o meu teclado me traindo. O Brasil é um baralho, Rio de Janeiro é outro. As cartas, o povo. Todos juntos, mas misturados, embaralhados.

Por enquanto, o presidente dá as cartas. Na outra rodada, quem dá é o interventor.

Começa o jogo. Como o presidente deu as cartas, o primeiro a comprá-la é o interventor. Palavra muito forte, comprar, até parece que o povo é mercadoria.

O jogo consiste em formar trincas e baixá-las na mesa. E, com o passar do jogo, ir completando para formar a canastra.  Na mão do presidente e do interventor estão as pessoas de bem e do mal.

As cartas “2” são os coringas, no nosso jogo, os que trabalham para os traficantes ou bandidos.

Os outros números são as pessoas da comunidade.

O “J” são os jovens.

O “Q” as mulheres.

O “K” os traficantes.

O “A” é o que vale mais, não fica antes do “2”. E só fica acima do “K”, ou com eles mesmos valendo muito.

Cada jogo baixado na mesa forma uma comunidade. Elas podem ser formadas no começo com 3,4, 5, 6 desde que seja do mesmo naipe ou por exemplo, 4,4,4 podendo ser de naipes diferentes, ou seja, na comunidade pode ter gente da mesma família ou se juntar a outras pessoas para um bem comum. Viver.

No país em que estamos, a palavra correta seria sobreviver.

O coringa pode ficar infiltrado em qualquer lugar, formar comunidades com outras pessoas. Ele acha que vale muito e tem até pessoas que acreditam que ele vale muito mesmo, mas na verdade, ele forma grupo de pessoas que acabam sendo do mal. Como no jogo, o coringa deixa a canastra suja.

O presidente gosta muito de coringas porque é mais fácil para trabalhar. Só para ele, é claro.

O que o interventor deve fazer? Formar na comunidade canastras que sejam limpas, porque assim a comunidade será grande, com pessoas do bem e, mesmo que tenham algumas infiltradas do mal, não serão maiores do que a população do bem.

Sempre ter os “3” vermelhos que são quatro, porque são eles que irão indicar se a comunidade ganhará pontos, ou seja, ganhará saúde, educação, segurança e tranquilidade. Porque, se não fizer canastra, ou melhor, se não fizer a intervenção com honestidade e não pensar num bem comum, ela perderá todos esses pontos e, sem esses pilares, não vai a lugar algum, muito pelo contrário, vai gerando mais violência, fome, analfabetismo e por aí vai.

Os “3” pretos são importantes também. Na verdade, eles são os delegados, porque trancam aqueles que estão na mesa e que não servem teoricamente para nenhum dos lados, mas futuramente podem ter validades.

Os “J” separados não valem nada. Caso se juntem do lado do mal, serão bandidos e pagarão futuramente pelos seus atos. O interventor tem que juntar os jovens e mostrar o lado do bem, só assim o Rio de Janeiro irá crescer.

As “Q” juntas podem somar pontos valiosos, está aí a força da mulher.

Os “K” que se cuidem, eles podem ser fortes no começo, mas se aparecerem os “A” eles não valerão mais do que eles.

Espero que no final da partida, as pessoas que fazem parte do Rio de Janeiro vençam o jogo e que o Brasil todo possa cantar:

“O Rio de Janeiro continua lindo…”

Eça é d+

“Os políticos e as fraldas devem ser trocados de tempos em tempos, pelo mesmo motivo” ou “Os políticos devem ser trocados frequentemente e pela mesma razão”, frases atribuídas ao escritor português que faleceu em 1900, Eça de Queiroz.

Se você for pesquisar no Google, irá descobrir que essa frase não é dele e que o autor é desconhecido.

A questão que quero abordar, não é para saber o autor da frase, mas sim pelo assunto em si.

Analisaremos as fraldas. Hoje, elas são descartáveis. Antigamente, não. Elas precisavam ser lavadas, e bem lavadas, para o seu reuso. Só o conteúdo era jogado fora. Os políticos tinham essa chance. Faziam merdas, se arrependiam e continuavam a vida até não precisarem mais usar essas fraldas. Hoje, podem fazer merda à vontade, pois elas são jogadas no lixo, não precisam lavá-las. Assim deveria acontecer com nossos políticos. A palavra “descartável” seria bem usada para eles, ou seja, fez merda, joga tudo fora e coloca uma fralda nova, até o nosso país não precisar de mais fraldas e seguir o rumo da vida.

Existem bons políticos que vou apresentar a vocês.

Tem o … Como é mesmo? Não, espere, deixa eu pensar. Ele aprovou… Ô, meu Deus, esqueci o nome dele…

Vou fazer diferente, vou apresentar os maus políticos. Tem 513 na câmara dos deputados, 81 no Senado Federal, mais deputados estaduais e vereadores. Infelizmente, não colocarei o nome deles e nem o que fizeram, senão irei transformar este livro em Bíblia, não pelos ensinamentos, e sim pelo número de páginas.

ACREDITE SE QUISER

O ônibus para no meio da estrada, num posto de serviços, perto de um pequeno vilarejo. Desce um casal humilde, ele aparentando uns 50 anos e ela uns 40, com uma só mala e trazendo com eles um adolescente, aparentando uns 15 anos. Vão caminhando a pé até sua casa, que fica aproximadamente a uns 3 km. Uma casa bem simples, com uma plantação nos fundos, algumas galinhas e um cachorro. Dentro, apenas alguns móveis bem velhinhos, uma televisão e um aparelho de som antigo.

No caminho, o pai vai dando bronca no filho, dizendo que para ele ser alguém na vida precisa estudar, dizendo que os conhecimentos que ele adquire ninguém rouba, ninguém tira, é dele para sempre e que, infelizmente, ele não teve a mesma oportunidade.

– Você não quer ser matemático ou astrônomo? Sem estudo ninguém vai a lugar nenhum. Sua professora falou que você precisa estudar mais. De castigo, depois do jantar, você irá direto para o seu quarto e ficará com esses livros que a professora emprestou para você estudar.

O menino foi cumprir o castigo e ficou deitado com os livros para estudar até cair no sono. Horas depois, alguém bate à porta.  Ele, ainda sonolento, abre a porta e se depara com uma jovem linda e muito atraente.

– Olá, tudo bem? Me perdi no meio do caminho e não sei como voltar.

 Ele, ainda atordoado, pergunta:

– Você é a pessoa que estava sentada no último banco do ônibus que parou no posto?

– Isso mesmo, meu nome é Urânia. Será que posso ficar aqui até o amanhecer para eu seguir meu caminho?

– Claro, desde que não façamos barulho porque poderá acordar os meus pais.

– Combinado.

– Você terá que dormir junto comigo porque só tenho esta cama.

– Eu trouxe um colchonete e durmo no chão.

– Mas a luz tem que ficar acesa para o meu pai achar que eu estou estudando.

– Sem problemas. Eu te ajudo nas lições.

– Você é boa em matemática?

– É o meu forte. Se você me prometer que vai só estudar eu te ensino tudo que sei.

– Prometo que vou me esforçar para estudar.

– Eu observei em você um menino que tem bom coração e só precisa de um empurrãozinho para deixar as coisas fluírem. Primeiro passo, pensamento positivo. Segundo passo, a mente precisa estar descansada, então é hora de dormir e só pensar em coisas boas. Amanhã você irá acordar um outro menino.

Urânia começa a fazer massagem em seu couro cabeludo e ele não demora muito, cai no sono.

No dia seguinte, o pai bate à porta e grita:

– Venha tomar o café para não se atrasar para escola!

Novamente, atordoado e ainda com muito sono, ele procura por Urânia e não a encontra e fica imaginando: “Será que eu sonhei? Parecia tudo tão real. ”

Toma o café da manhã com seus pais e fica no mundo da lua.

– Filho, você estudou ontem os livros que a professora emprestou? Ela disse que hoje é dia de prova.

– Hum…

– Você não está me escutando?

– Sim.  O que o senhor falou mesmo? Eu estou fazendo uns cálculos de cabeça.

– Nada… esquece.

O pai estava momentaneamente satisfeito com a resposta do filho, imaginando que, se estava fazendo cálculos, era sinal de que havia estudado a noite inteira.

O menino se arruma para ir à escola, que fica numa cidade próxima. Precisa caminhar os 3 km até o posto e de lá pegar o ônibus para a cidade.

No meio do caminho, saindo de uma ruazinha que atravessa a rua principal, ele encontra com Urânia e leva um susto.

– Não acredito!

– Errei o caminho novamente. Preciso encontrar o posto.

– Estou indo pegar o ônibus para ir até a escola.  Por que você foi embora?

– Você estava dormindo como um anjo e eu não quis acordá-lo. Mas chega de perguntas e concentre-se nos seus estudos.

– Hoje tenho prova e acho que não sei nada.

– Como acha que não sabe nada?

– Se fosse em outra época, minha resposta seria: não sei nada. Agora, estou me sentindo meio estranho.

– Você não se lembra de ter estudado na noite anterior?

– Para falar a verdade, não.

– Vou revelar um segredo. Lembra que eu falei que você precisaria só de um empurrãozinho?

– Lembro.

– Este empurrãozinho você já ganhou.

– Como?

– Quando você for fazer a prova, verá.

– Não entendi.

– As pessoas precisam sonhar e tentar realizar seus sonhos, porque senão a vida não tem sentido. Você só estava desacreditado. De agora em diante tudo irá mudar na sua vida, mas você precisa sempre querer captar conhecimentos. Estudar muito. Entendeu?

– Acho que sim.

– No futuro você irá lembrar deste nosso encontro, então, sucesso! Eu acredito em você.

Ele entrou no ônibus e Urânia tomou um outro caminho.

Na prova ele acertou tudo e nem acreditou no que estava acontecendo. Isso o incentivou a estudar cada vez mais. Participou das olimpíadas de matemática e foi o campeão. Ficou famoso na cidade e no vilarejo onde viveu sua infância e adolescência.

Hoje, dá aula de matemática numa conceituada universidade e ainda estuda astronomia e astrologia. Sempre que é indagado quando irá parar de estudar, ele responde: “Quando eu não tiver mais sonhos”. E ainda cita parte de um poema neoclássico escrito por Alessandro Manzoni, entre 1806 e 1809, onde descreve que as virtudes sem as musas não podem ser aprendidas pelos homens primitivos, por natureza brutos e indolentes; também as musas, sem as graças, não ganham o coração humano.

O grande sonho dele é rever Urânia para agradecer pelos ensinamentos, mesmo sabendo que ela é apenas uma musa.

Na mitologia grega, Urânia é uma das nove musas, filha de Zeus. Musa da Astronomia, da matemática e da astrologia.

2230

Enquanto você 60 e fica aí parado 100 fazer nada, eu 20 mostrar que no nosso país, vo70 ser honesto e fica 100 imaginar que os políticos 80 te roubar 80 te matar de raiva, porque eles são 10honestos, 10humanos.

Eu realmente estou 10acreditado deste nosso país.

Se eu estiver em uma lancha e alguém me chamar: “80 ação! Você gostaria que eu fosse ministra do trabalho?”. Eu responderia: “Não, nem que você 10filasse como uma con10sa ou rainha”.

70 construir um país melhor e os políticos te deixam 100 teto, 100 terra, 100 empregos e quase 100 nada, porque são todos 100 vergonhas.

As coisas poderiam caminhar com mais flui10, sempre no 100tido de construir e não deixar o país 10moronar feito um castelo de  areia, porque o que está acontecendo é a 10organização de um povo que está 10acreditado com o 10vario 10ses políticos.

Vamos nos organizar e tirar do congresso esses 10miolados que 10caracterizaram nosso país e vamos ser um povo 10temido e a10trar todos esses políticos da nossa maneira. No congresso, só estarão políticos para trabalharem para o povo e para o país, e não 10fazer nossa ordem e nem o progresso desta nação.

Vamos caminhar 100 cerimônias num 100tido único e acabar com as 100vergonhices deles e mostrar para esses in100síveis que o lugar deles é na cadeia.

100 mais para o momento. Agradeço você, leitor, e peço a todos, 100 exceção, que no final 10ssa crônica coloque se achou ela engraçada ou 100graça.

Vamos à luta!!!! Pra 100pre Brasil!!!!

Obs. Esta crônica tem esse número porque é a soma dos números no texto, simplesmente isso. Não consegui pensar em outro nome.

A CERVEJA

Já foram feitos estudos científicos, dizendo que a ingestão de cerveja com frequência é benéfica para a saúde. Sua e da Ambev.

Claro que você pode parar num hospital, se sua mulher não aguentar ver você tomando cerveja com frequência e lhe der uma garrafada na cabeça.

Não sei se é por causa da cerveja ou com quem você toma cerveja. Bem, isso não vem ao caso. Vamos falar o porquê beber cerveja é bom.

Não sou eu que estou falando, são estudos científicos.

A cerveja aumenta a densidade dos ossos, graças ao seu teor de silicone, ajuda os músculos a se conectarem aos ossos.

A cerveja melhora os níveis de colesterol HDL, também conhecido como colesterol bom, no seu corpo, por esta razão, beber duas cervejas por dia pode ter um impacto positivo no nível de colesterol no seu sangue. Não vamos entrar em detalhes se são 269 ml, 350 ml, 650 ml, o litro, o “litrão” ou ainda o barril de 5 litros. O importante são duas cervejas diárias.

A cerveja reduz o risco de doenças cardiovasculares. Estudos da Universidade de Harvard (não é qualquer Universidade) mostram que a ingestão moderada de cerveja diminui o risco de sofrermos um infarto em 40%, pois evita o aumento da homocisteína (o aminoácido responsável por falhas cardíacas). Resumindo, você não vai morrer do coração.

A cerveja diminui o risco de diabetes. Estudos comparativos mostram uma relação entre o consumo de álcool e um menor risco de desenvolvermos diabetes tipo 2. Se você já tem, nada impede de continuar a tomar cerveja, de acordo com minha teoria.

A cerveja previne pedras nos rins, por isso que nós, tomadores de cervejas, vamos muito ao banheiro urinar. A cerveja tem suas propriedades diuréticas.

A cerveja protege contra a demência. Mais uma vez, não sou eu que estou dizendo, são estudos. No lúpulo tem um tal de xanthohumol que ajuda a prevenir o estresse oxidativo, que é uma das principais causas da demência em idosos. Entendeu? Nem eu. Só sei que mantém o cérebro jovem.

A cerveja ajuda a combater alguns tumores. De acordo com pesquisas, o tal de xanthohumol ajuda a prevenir a absorção excessiva de testosterona, que representa um dos maiores fatores de risco para o aparecimento do câncer na próstata, mas não deixe de ir ao médico para levar uma dedada.

Nós já sabemos que uma cervejinha gelada nos deixa felizes, mas não tínhamos ideia de que ela também nos deixaria mais saudáveis. Saúde!!!!

Agora só temos que convencer nossas esposas que a cerveja faz bem à saúde, de acordo com essas incríveis descobertas. E se ela vier com aquele papo de economia financeira e apresentar o que você gasta de dinheiro com cervejas, você mostra essa mensagem diálogo que recebi no WhatsApp.

A esposa

– Amor, você bebe, né?

O marido

– Sim.

A esposa

Quantas por dia?

O marido

– 5 Cervejas por dia.

A esposa

– Quanto paga por elas?

O marido

– Cerca de R$ 8,00 cada.

A esposa

– Há quanto tempo você bebe?

O marido

– 20 Anos.

A esposa

– Então custa R$ 8,00 e você bebe 5 por dia. Dá um total de R$ 40,00. Por mês: R$ 1.200,00. Por ano: R$ 14.400,00. Certo?

O marido

– Correto.

A esposa

– Você sabia que, com esse dinheiro aplicado e corrigido com juros compostos durante 20 anos, você poderia comprar uma Ferrari?

O marido

– Você bebe?

A esposa

– Não

O marido

– Então, desgraça, cadê a sua Ferrari?

ESTÊVÃO

2048, vovô e neto conversando amigavelmente na piscina de um condomínio. Vovô, 90 anos e o neto com 30 anos.

– É verdade que além do troféu de melhor jogador da Copa do mundo você ganhou ainda uma casa paga pela FIFA no país que você quiser?

– É sim, vovô.

– Qual país você escolheu?

– Pô, vovô! Claro que eu quis um país de primeiro mundo, principalmente que não tenha corrupção. Brasil, obviamente.

– No ano que você nasceu, 2019, os países menos corruptos eram Nova Zelândia, Dinamarca, Finlândia, Noruega, Suíça, Cingapura, Canadá, Suécia, Luxemburgo e Reino Unido.

– Nossa, vovô! Que memória!

– É a pílula que estou tomando.

– E o Brasil?

– Nonagésimo sexto.

– Difícil de acreditar.

– Na época, a população não acreditava que o país fosse crescer desse jeito, mas a revolução de 2018/2019 colocou o país nos trilhos. Hoje o Brasil é exemplo para todas as nações. Temos saúde, educação, segurança e uma moeda forte, o Faria, valendo 5 vezes mais que o dólar que, na época, juntamente com o Euro, era a moeda mais forte.

– Vô, vamos falar de futebol.

– Está certo. Em 2019, as pessoas falavam que o nosso Palmeiras não tinha título mundial. Eu explicava que, em 1951, nós ganhamos um e zoavam muito com seu avô. Graças a você, o Palmeiras ganhou o nono título mundial este ano. “Nono” e “vovô” combinam. Fiquei muito contente com você na entrevista oferecendo esse título ao seu avô, que foi o grande incentivador da sua carreira.

– Eu falei tudo o que estava sentindo.

– Eu me lembro que quando fui te visitar pela primeira vez, na maternidade, levei o uniforme do Palmeiras e um porco de pelúcia. Me lembro também que a sua primeira palavra foi “vovô”, isso porque, antes de você começar a falar, eu ficava repetindo no seu ouvido: vovô, vovô, vovô. A família do seu pai pensou que você fosse torcer para o Ceará.

– Conte mais, vovô.

– No seu primeiro treino de futebol vieram várias pessoas me parabenizar pelo seu talento.

– Eu era tão bom assim?

– Antes de você chegar a esse estágio, eu te ensinei os primeiros chutes, os primeiros dribles, as primeiras cabeçadas e por aí vai.

– Como eu vim parar no Palmeiras?

– Vários empresários vieram falar com sua mãe para poder agenciar você, mas ela disse que eu era seu único empresário.

– Ah…

– Seu pai, um médico renomado, precisou se mudar com a família para São Paulo. E eu fui junto, pois não queria ficar longe de você. Lá chegando, depois de algum tempo, consegui um teste para você no Palmeiras. O seu sucesso começou. Único lugar que você jogou, fora a seleção brasileira. Parece um sonho. Me belisca para eu ter certeza que tudo isso é real.

– Ai!!!!

A mulher acorda o marido no meio da madrugada e ele acorda atônito.

– O que aconteceu? Cadê meu neto?

 A mulher então diz:

Que neto? Acorda, você está sonhando. O Estêvão não nasceu, nossa filha ainda está grávida.

SISTEMA DIGESTÓRIO

          Quando escrevi no meu primeiro livro (Crônicas em Estado Crônico, em 1998) “Brasil, mostra a sua bunda. Acho que exagerei um pouco”, na verdade, não exagerei nem um pouco, porque o Brasil está mostrando a sua bunda desde então.

          Vamos começar a narrar. O alimento entra pela boca. A política também, através de candidatos inescrupulosos, corruptos e outros adjetivos mais. Falam em muitas promessas e que o Brasil é um país do futuro. Notem, meus caros leitores, que o Brasil é um país do futuro desde 1500.

          Na boca, trituramos o alimento através dos dentes, enquanto a saliva o envolve formando o bolo, para que ele seja engolido suavemente. Os políticos dizem um monte de   besteiras que nós engolimos não tão suavemente.

          A faringe e o esôfago são responsáveis pelo transporte do bolo alimentar ao estômago. Os deputados e senadores são responsáveis pelo transporte do bolo de falcatruas ao congresso.

          As paredes do estômago esmagam o alimento por meio de fortes contrações musculares. Além disso, ele produz o suco gástrico, um conjunto de poderosos ácidos e enzimas, que transformam o alimento numa pasta quase líquida. Os políticos nos esmagam com leis formadas por eles e ainda produzem propina, que é um conjunto de “cascalhos, bufunfas e dindins”, para isso, precisa-se do tráfico de influências.

          O fígado produz um líquido amarelo-esverdeado chamado bile e o envia para a vesícula biliar, onde ele pode ser armazenado. Lançada no intestino delgado, a bile tem a função de emulsificar a gordura. Os políticos, com os poderes verde e amarelo, chamado de congresso, onde deveriam ser enviadas propostas para a melhoria do país, às vezes, nem enviadas são. Os deputados e senadores tentam dissolver as melhorias para o povo, deixando apenas as que os favorecem.

          O pâncreas também colabora no processo de digestão, produzindo suco pancreático, rico em enzimas, que será jogado no intestino para quebrar carboidratos, proteínas e gorduras. Este papel cabe ao STF, analisando as leis ricas em artigos, prontas para serem julgadas.

          No intestino grosso, boa parte da água e alguns sais minerais, são absorvidos. O que resta, as fezes, é eliminado. No Brasil, é quase isso: difícil de absorver o que presta, e o que não presta, também é difícil de ser eliminado.

“Brasil, mostra a sua cara. Quero ver quem paga para a gente ficar assim”

Brasil, mostra a sua Bunda. Quero ver quem limpa para a gente não ficar assim. Cagado.

          Precisa de muito papel higiênico para limpar essa bunda ou toda essa merda.

BUNDA

          Brasil, país do futebol, onde a seleção brasileira conseguiu parar uma guerra. Jogo da paz, em 2004, em Porto Príncipe, no Haiti. Brasil 6 a 0, o resultado foi o que menos importou. O Brasil desembarcou no país apenas duas horas antes da partida. No trajeto entre o aeroporto e o estádio, os atletas brasileiros foram em carros blindados de combate e foram acompanhados por milhares de haitianos, que tomaram as ruas para ver os jogadores passarem.

          Fico imaginando: o futebol com muitos torcedores e o Brasil com muitos habitantes, muitos corruptos, muitas florestas, muitos traficantes, muitos sonhadores…

          Tiraremos alguns “muitos”, a começar pelos muitos partidos políticos.  A população não conhece todos os partidos, que só existem para ganhar verbas governamentais. Deixaremos apenas dois partidos. De muitos senadores (81 ao todo), deixaremos 1 senador por Estado. Cortaremos o número de deputados federais pela metade, 513 são muitos.

          Agora, vamos à plataforma e à sigla dos dois partidos que, obviamente, é apenas uma sugestão.

          B U N D A (Brasil, União, Nação, Desenvolvimento e Aliança) seria um partido que, embora separado por um rego, digo, um I, de integração, sempre caminharia junto com a população. Sentaria sempre na mesma cadeira. A parte (ou ala) da direita, no começo, seria igual à ala da esquerda, por ser um partido jovem. Claro que, com o passar do tempo, as coisas iriam mudando e a ala da direita dificilmente seria igual à da esquerda, devido as estrias, ou melhor, devido ao tempo mesmo.  O importante é que elas sempre estariam juntas, sentariam nos mesmos lugares e receberiam apoio da população. Para quem não gostar da B U N D A, o outro partido poderia ser P U M (Partido Único do Meio). Não seria nem um partido de direita e nem de esquerda, seria um partido de centro e serviria para eliminar gases, digo, eliminar tudo o que não serviria para o país através do seu diretório A N U S (Aliança Nacional Unida Socialmente).

          Nas ruas as pessoas perguntariam: Em quem você votou?  “Votei no candidato que tem a B U N D A como plataforma, que não se vendeu e nem se deu para ninguém.”,  ou “Votei no candidato do partido que eliminou todas minhas dúvidas e outras coisas mais.” P U M

          Claro que o voto seria secreto. O candidato também poderia ser secreto, mas o apoio aos partidos não precisaria. Você poderia sair por aí mostrando o seu partido. Se fosse eleitor da B U N D A, poderia mostrar a B U N D A sem constrangimentos, com faixas dizendo, por exemplo, “estou com a B U N D A e não abro” ou então, se fosse eleitor do P U M,carregaria faixas com dizeres “P U M, liberdade para voar”, “P U M é como uma pipa, adoro soltar P U M e me sentir livre”.

          Poderia sair cantando em passeata:

“A minha bunda atravessou o mar e ancorou lá em Brasília.

Fez um governo mais decente e elegeu um presidente.

Será que eu terei de novo esta terra?

Errei, quando votei em outras épocas.

Eu vim, com muita garra.

Cheio de alegria, para eu votar.

O mundo inteiro espera.

Um Brasil, para o povo viver.

Fiz uma pesquisa, para eu poder bem votar

Quanto ao candidato eu vou ter que sempre cobrar.

Eu votei.

Fiz uma pesquisa, para eu poder bem votar.

Quanto ao candidato eu vou ter que sempre cobrar.

Acredito.

Acredito ser inteligente.

Nesta luta do governo com a massa.

E com a massa.

É hoje o dia.

Da alegria

Nesse país.

A massa é que vai ganhar.

Diga espelho meu.

Se há um país mais corrupto que o meu

Diga espelho meu

A B U N D A venceu e o governo se …”.

Bom, agora uma música para o P U M:

“Pumpum pati pumpum só pro pumpum.

Nosso partido, minha gente é isso aí, é isso aí.

Pumpum pati pumpum só pro pumpum.

Eu só voto em candidato que faz P U M”.

          Seria um país não só do futebol, mas um país com a cara da gente ou a bunda da gente ou o pum da gente, enfim, não importa. Um país mais humano.

Meu primeiro post no blog

BLOG DO NENÉ

Nelson Faria, nascido em maio de 1958, escritor, ex-bancário e aposentado. Autor de três livros publicados e um no forno quase pronto. Todos com os títulos de “Crônicas em estado crônico” (1,2,3 e 4). Minha intenção é levar para o maior numero de pessoas as crônicas escritas por mim com muito humor e carinho.

Seja você mesmo; todos os outros já existem.

— Oscar Wilde.

Este é meu primeiro post no meu novo blog. Este é só o começo do blog, então fique de olho. Assine abaixo para receber notificações das minhas postagens novas.

Crie seu site com o WordPress.com
Comece agora